WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
Olá, como posso ajudar?

Chapada Diamantina

Chapada Diamantina

Quando ir:

A região pode ser visitada em qualquer época do ano. A época de seca vai de abril a outubro; e a de chuvas (não tão intensa), de novembro e março. Para fazer a Trilha do Pati a melhor época é no meio do ano. As chuvas de verão (novembro a janeiro) podem enlamear as trilhas, mas deixam as cachoeiras mais caudalosas.

O que fazer:
Conhecer a Gruta da Lapa Doce (Lençóis)

A Gruta da Lapa Doce é a terceira maior do país. Ela conta com mais de 17 quilômetros mapeados, sendo 850 metros abertos para visitação. A trilha para chegar até lá é bem fácil e ainda é repleta de paisagens encantadoras. As formações rochosas da gruta são curiosas e diferentes. O passeio só pode ser feito com um guia e dura por volta de uma hora e meia. O local conta ainda com lanchonetes e restaurantes.

Mergulhar no Rio Pratinha (Lençóis)

O mergulho no Rio Pratinha é permitido e super-recomendado. Enquanto você flutua sobre as águas azuis, é possível observar os tipos de peixes ali existentes e ainda admirar as formações rochosas do local. Um guia, especializado em mergulhos em cavernas, acompanha de perto o passeio e lhe dá dicas do que ver e conta o porquê das coisas.

Admirar a gruta do Poço Encantado (Itaetê)

Sem dúvidas, o Poço Encantado é uma das atrações mais incríveis da Chapada Diamantina. A água do local é tão azul e cristalina que chega ser possível enxergar perfeitamente as formações rochosas que estão a dezenas de metros de profundidade, além de muitos peixinhos coloridos.

Conhecer a Cachoeira da Fumaça (Vale do Capão)

Uma abertura em um paredão com mais de 300 metros de altura faz cair uma corrente fina de água. A cachoeira forma um belo arco íris em dias de sol. O término da queda da água se dá quando ela se dissipa e dá a impressão de retornar ao topo em forma de fumaça. A trilha para chegar ao local é de 6 quilômetros, mas vale a caminhada.

A Cachoeira da Fumaça é um dos pontos turísticos mais conhecidos da região da Chapada Diamantina. E o sucesso não é à toa: ela é considerada uma das mais altas cachoeiras do mundo, perdendo apenas para a Cachoeira do El Dorado, no Amazonas.

Banhar-se nas piscinas naturais no Vale do Capão

A Cachoeira do Riachinho é uma queda de 20 metros que desemboca em algumas piscinas naturais. Esse passeio permite que você se refresque e relaxe na água agradável do local. A experiência de descansar em meio à natureza preservada será um dos pontos altos da sua viagem.

Assistir ao pôr do sol no Morro do Pai Inácio (Palmeiras)

Com mais de 1.100 metros de altitude, o Morro do Pai Inácio conta com a melhor vista panorâmica de toda a Chapada Diamantina. Um verdadeiro cartão-postal, esse ponto turístico atrai viajantes do mundo todo, principalmente aqueles que buscam um lugar incrível para acampar e viver aventuras de tirar o fôlego.

A subida até lá dura por volta de 20 minutos e é recheada de paisagens privilegiadas. Essa é uma parada considerada obrigatória na Chapada, porque há poucos lugares no Brasil que oferecem algo parecido.

Ver a arquitetura do Cemitério Bizantino (Mucugê)

O Cemitério Bizantino, na Chapada Diamantina, foi construído no século 19 em um paredão rochoso à beira da rodovia BA-142. A arquitetura é bem diferenciada e incomum, o que atrai muitos visitantes durante todo o ano.

As construções começaram a acontecer devido a uma epidemia de varíola e rubéola que atingiu a região. Para enterrar os mortos, era necessário um lugar afastado, daí nasceu o Cemitério Bizantino. As túmulos são todos brancos e inspirados no estilo arquitetônico gótico.

Admirar as paisagens do Morrão (Vale do Capão)

O Morrão é considerada, pela maioria dos turistas, a montanha mais bonita da Chapada. As paisagens proporcionadas pela trilha que te leva até a montanha são inesquecíveis e perfeitas para quem gosta de aventura.

Muitas pessoas visitam o lugar para fazer trekking, uma espécie de caminhada ao ar livre que passa por trechos pesados e outros mais leves.

Passear pelo Pantanal de Marimbus (Andaraí)

Marimbus é uma planície inundada e conta com espécies gigantes de peixes. É possível fazer a travessia com barcos de madeira, que dura mais de uma hora e meia. A paisagem é repleta de verde e tem uma fauna privilegiada.

Conhecer a cidade de pedra (Igatu)

Igatu é conhecida como a cidade de pedra. A arquitetura do município tem a pedra como material. A Galeria Arte & Memória mantém casas antigas feitas de pedras e também utensílios utilizados no garimpo entre 1930 e 1950.

O lugar é pequeno, e menos de 500 pessoas vivem lá. Além de visitar o belo conjunto arquitetônico, você pode aproveitar para conhecer os mirantes da região, que proporcionam uma vista privilegiada dos Vales do Parati e Paraguaçu.

Encantar-se na Cachoeira do Buracão

Caminhar até a Cachoeira do Buracão é, por si só, uma experiência única. Afinal, o intenso contato com a natureza permite renovar as energias e conhecer mais do meio ambiente.

Antes de chegar à queda d’água, você passará por um estreito corredor de pedras. Ao fim da travessia, você olhará para cima e ficará surpreso com a imensidão da cachoeira. Nessa hora, não perca tempo para colocar sua roupa de banho e dar um mergulho nas deliciosas águas do lugar. Elas são bem geladas, mas a experiência é revigorante.

Onde Comer em Lençois, Vale do Capão e Mucugê

Lampião Culinária Nordestina

Garimpo Gourmet

O Bode

Cozinha Aberta

Roda d’Água

Café do Mato

Bavarois

Pizzaria Capão Grande

Bistrô Pachamama.

Oxê Restô.

Arômata da Lagoa

Pizza da Garagem

Point da Chapada

Capim Rosa Chá.

Telefonia e Internet

Nas cidades de Lençóis e Mucugê o sinal de celular é mais forte e todas as operadoras funcionam. O mesmo não acontece em locais mais remotos, onde praticamente não há sinal. Caso precise resolver algum problema, não conte com a internet ou o telefone na Chapada Diamantina. O serviço poderá estar indisponível;

É comum que as pousadas ofereçam Wi-Fi na cidade de Lençóis, mas pode acontecer de não ter sinal devido à queda de energia ou manutenção da rede. Nas cidades menores, as chances de ter Wi-Fi é bem menor. Se for importante para você, consulte a agência ou pousada contratada para ter certeza de que haverá sinal de internet sem fio.

Lista básica de itens para levar
  • Câmera fotográfica e câmera fotográfica subaquática (com acessórios)
  • Bota ou outro calçado para trilha
  • Chinelo
  • Meias especiais para trilha (ajudam muito a não machucar os pés)
  • Roupas para trilha (opções de bermudas e calças)
  • Lanterna (para o caso de trilhas de mais de um dia)
  • Protetor solar
  • Repelente contra insetos
  • Medicamentos de uso pessoal
  • Produtos de higiene pessoal (para quem fará trilha com pernoite, o ideal são potes pequenos)
  • Roupas de banho
  • Mochila pequena para trilhas curtas e mochila média para trilhas de mais de dois dias
  • Casaco leve para o verão ou trilhas com pernoite
  • Casaco mais pesado para o período do inverno, especialmente se houver pernoite em camping
  • Casaco corta vento e impermeável ou capa de chuva para o período de chuvas
  • Toalha compacta de alta absorção
  • Boné, chapéu e óculos de sol
  • Carregador externo de bateria (caso você não viva sem o telefone).
  • Bolsa impermeável
  • Calçados e roupas confortáveis para sair à noite (o calçamento é quase sempre de pedra e não há luxo na Chapada Diamantina).

Compartilhar esta postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *